Quem você seria, se não fosse você?

Eu conheço um coach de negócios que sempre começa suas sessões fazendo uma única pergunta a seus clientes: “Quem você seria se não fosse você?”

O que ele quer dizer é; Se você não tivesse seu trabalho e responsabilidades atuais, e se não tivesse investido tempo e energia em sua carreira atual, quem você seria e o que faria?

É uma pergunta excelente para se perguntar de vez em quando, mas pode ser extremamente difícil de responder. É porque você é o resultado de um quebra-cabeça muito complicado, que consiste em milhares e milhares de peças, e você está apenas meio montado.

O mesmo vale para empresas e projetos. Há muitas coisas que você faz simplesmente porque já as faz há algum tempo. Você pode ficar com projetos que começou, mas agora está preso a eles.

É por isso que você deve se perguntar – pelo menos uma vez por ano – se estivesse começando hoje, você ainda continuaria com este projeto? A resposta pode ser um “sim” firme e isso é ótimo. Mas um “não” hesitante também é interessante porque permitirá que você reavalie seu trabalho.

Mas não para por aí, porque você pode aplicar o mesmo pensamento a seus parceiros e funcionários.

Se a pessoa com quem você trabalha se inscrevesse hoje, você a contrataria? Pode ser uma compreensão dolorosa quando sua resposta é menos do que um “sim” entusiasmado, mas talvez esse desconforto não deva ser evitado. Na verdade, digo aos meus gerentes para pensarem nos funcionários não como ativos fixos, mas como seres vivos que mudam junto com sua empresa e o mundo.

Eu acho que é saudável e respeitoso ter uma conversa com alguém com quem você trabalha e estabelecer por quanto tempo vocês trabalharão juntos. Antigamente, as pessoas podiam ter permanecido no mesmo emprego por 40 anos, mas espero que a maioria das pessoas trabalhe para você por cerca de 5 anos. Alguns um pouco mais longos, outros por períodos mais curtos.

A grande vantagem de definir essas expectativas desde o início é que, quando eles vão embora – em vez de se sentirem traídos e abandonados – você pode agradecê-los por sua contribuição e aceitar que eles deram tudo o que tinham.

Você também pode ver as oportunidades que ele oferece de forma clara e se perguntar: agora que tenho o orçamento para um novo funcionário, quem posso contratar que seja perfeito para o que desejo alcançar agora?

Então, quando um funcionário decide sair, vocês dois podem olhar para trás e ver uma parceria frutífera e ambos terão o que comemorar. Agora você pode contratar a pessoa perfeita para sua próxima meta, e o funcionário que está saindo pode seguir para o próximo desafio de sua vida. Todo mundo ganha.

De volta à pergunta original e seu dever de casa da semana: quem você seria se não fosse você?

 50 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *