Diabetes em decorrência do uso de antipsicóticos

O risco de diabetes de crianças e adolescentes tratados com antipsicóticos é quase três vezes maior do que em menores que não são tratados com drogas, de acordo com um estudo dinamarquês de longo prazo com aproximadamente 50.000 jovens pacientes psiquiátricos. Os antipsicóticos são psicofármacos utilizados no autismo, depressão, TDAH, ansiedade e distúrbios do sono. As meninas correm um risco maior de desenvolver diabetes tipo II devido ao uso de antipsicóticos.

Psicofarmacêuticos na Infância

Mais e mais crianças e adolescentes são diagnosticados com um tipo de doença mental. Na maioria dos casos, os médicos que tratam não esperam muito antes de prescrever medicamentos fortes, como antipsicóticos, um subgrupo de psicofármacos, mesmo que o foco no tratamento de doenças mentais deva ser inicialmente uma terapia não medicamentosa.

Se os pacientes são tratados apenas com medicamentos (antipsicóticos), isso leva à supressão dos sintomas, mas não ao remédio da causa. Por exemplo, os pacientes geralmente dependem de medicamentos por toda a vida e sofrem de seus fortes efeitos colaterais, mais cedo ou mais tarde.

Níveis elevados de gordura no sangue e distúrbios do movimento são os efeitos colaterais mais comuns dos medicamentos mencionados.

Além disso, já foi demonstrado em adultos que os psicofármacos não apenas aumentam a frequência de uso, mas também aumentam o risco de diabetes tipo II. Os dados correspondentes para pacientes menores de idade não estavam disponíveis até recentemente, mas isso mudou devido ao presente estudo.

Antipsicóticos promovem diabetes

Psiquiatra Dr. Ren? Ernst Nielsen, do Hospital Universitário Dinamarquês de Aalborg, coletou os dados de um total de 48.299 crianças e adolescentes atendidos em uma instituição psiquiátrica na Dinamarca entre 1999 e 2010.

O objetivo era determinar se os antipsicóticos poderiam aumentar o risco de diabetes entre os jovens de 18 anos.

A análise dos dados mostrou que 7.253 dos participantes do estudo receberam antipsicóticos durante o tratamento em psiquiatria. Desse grupo, 52 pacientes foram afetados por diabetes, com risco de 0,72%.

41.046 participantes foram tratados não medicamente. O risco de diabetes era de apenas 0,27%.

Assim, a ingestão de antipsicóticos aumentou o risco de diabetes entre os estudantes quase três vezes.

Dr. Nielsen e seus colegas também observaram que o sexo e a idade dos adolescentes tratados também eram importantes.

As meninas tinham um risco maior de diabetes do que os meninos. Quanto mais velhos os adolescentes tomam antipsicóticos pela primeira vez, maior o risco de desenvolver diabetes.

Esses resultados são ainda mais alarmantes quando se considera que crianças e adolescentes que realmente sofrem de psicose são prescritos antipsicóticos por seus médicos.

Mesmo no caso de sintomas para os quais os antipsicóticos nem sequer são recomendados, como TDAH, ansiedade ou distúrbios do sono, esses fortes medicamentos psicofarmacêuticos são frequentemente prescritos.

Os cientistas dinamarqueses recomendam o tratamento de transtornos mentais com menores de todas as formas possíveis, a fim de evitar medicamentos prescritos.

Somente quando esses métodos falham, os médicos prescrevem psicofarmacêuticos – e somente se os pacientes puderem ser examinados regularmente para alterações nos exames de sangue ou problemas cardiovasculares, a fim de manter os riscos à saúde o mais baixo possível.

Evitar medicação

Os distúrbios comportamentais, especialmente o TDAH, tornaram-se um fenômeno popular. O número de pessoas afetadas aumenta tão rapidamente que agora se pergunta se os diagnósticos apropriados não são feitos muito rapidamente e arbitrariamente.

Isso pode ter sérias conseqüências, já que esses distúrbios agora são tratados com drogas fortes, como antipsicóticos, na maioria dos casos.

Crianças e adolescentes devem ser designados primeiro para tratamentos alternativos aos medicamentos. As alternativas mais importantes são, é claro, psicoterapia ou terapia comportamental.

 24 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *